PUB
Apoios para a descentralização cultural concelhia aprovados pelo executivo
Segunda-feira, Fevereiro 8, 2016

Na reunião do executivo municipal de 4 de Fevereiro foi aprovada a proposta de distribuição de verbas ao abrigo dos protocolos de descentralização cultural. Coligação repara que os apoios deverão actualizados.

Foi por unanimidade, apesar de a coligação Juntos por Guimarães defender uma urgente atualização das verbas, que a Câmara Municipal de Guimarães aprovou uma verba de 61 mil e 450 euros a atribuir às diversas associações culturais para o ano de 2016.

Para as bandas musicais concelhias (Caldas das Taipas, Pevidém e Moreira de Cónegos), foi atribuída uma verba de 5 mil euros para cada uma. Para os grupos folclóricos federados, a verba foi de 800 euros, estando neste grupo de 15, o de Souto S. Salvador, o da Casa do Povo de Briteiros S. Salvador, o de Vila Nova de Sande e o de São Martinho de Sande.

Por sua vez, aos 12 grupos folclóricos não federados foi atribuída uma verba de 6 mil euros, cabendo a cada 500 euros. Neste grupo, entre outros, temos o Rancho Folclórico Infantil de Santo Estêvão de Briteiros, o Rancho Folclórico de São Clemente de Sande, o Rancho Folclórico de Santa Cristina de Longos e a Associação “GFVP – Grupo Folclórico da Vila de Ponte.

Os Grupos de Teatro Amador foram contemplados com 7 mil e 200 euros, cabendo a cada grupo 800 euros para ajudar na manutenção da sua atividade cultural. Destaque para a vila de Ponte, com dois grupos, o Centro Social Recreativo e Cultural de Campelos – Grupo de Teatro e a ARCAP – Academia Recreativa e Cultural Amigos de Ponte e para o grupo de teatro Citânia – Associação Juvenil.

Os seis grupos corais contemplados irão receber igualmente 800 euros cada, entrando neste conjunto o Grupo Coral de Ponte. A mesma verba será atribuída aos nove Grupos de Música Popular. A vila de Ponte volta a destacar-se com a existência do grupo da Associação Sócio Cultural Sons da Ponte e Briteiros S. Salvador com o grupo da Citânia Associação Juvenil. De referir ainda os 800 euros atribuídos à Associação Recreativa e Cultural de Airão Sta. Maria.

As Escolas de Música concelhias não foram contempladas da mesma forma. O destaque vai para a Sociedade Musical de Guimarães, com o valor máximo de 2 mil euros. No oposto, a ARCAP (Academia Recreativa e Cultural Amigos de Ponte), terá um apoio de 500 euros. Idêntico valor receberá a Escola de Música da Associação Recreativa e Cultural de Airão St.ª Maria e a Escola de Música da Banda Musical de Caldas das Taipas.

À Academia de Música Valentim Moreira de Sá – Orquestra de Sopros foram atribuídos 2 mil euros.