PUB
A paciência do povo não é inesgotável
Segunda-feira, Julho 9, 2012

Atentemos nalguns dados trabalhados a partir de fontes oficiais: nas previsões do governo, o IVA, com a subida de escalão que os portugueses conhecem e sentem no bolso, deveria reflectir essa alteração e logicamente subir. Mentira. O Governo estimou um crescimento de 11,6%, mas na realidade recebeu menos 2,8% do que calculara.

Relativamente ao Imposto Único Automóvel, o vulgar imposto sobre os automóveis, o Governo pensava que iria receber menos do que em 2011, estimando uma baixa da ordem dos 6,5%, mas mais uma vez os cálculos saíram furados e vai receber muito menos do que o previsto, Vai arrecadar menos 47%.

Outra receita fiscal em queda diz respeito aos combustíveis. O Governo admitia uma quebra resultante de uma redução no consumo motivada pelos aumentos de preço e cortes nos salários, mas as previsões saíram furadas. Em vez de uma quebra de receita de 2,1% tem uma quebra de 8,4%.

Que concluir daqui?

Uma conclusão possível – o governo é incompetente, não sabe fazer contas.

Outra conclusão – se nada for feito para impedir tanta e tão flagrante incompetência, vamos penar e a dívida externa e o défice vão subir e não baixar.

Ainda outra conclusão – o desemprego vai continuar a crescer e não há mascarada que disfarce a verdade.

Perante o agravamento social que as estatísticas deixam perceber mas não mostram, poucos ficam surpreendidos com o facto de o descontentamento e a contestação populares estarem a crescer em termos quantitativos e em termos qualitativos.

Em termos quantitativos, porque ultrapassada a fase da contestação dos trabalhadores de todos os sectores de actividade – têxteis, metalurgia ligeira, transportes e comunicações, administração pública central e local, enfermeiros, médicos, polícia, militares, eis que os povos vencem o medo e protestam organizadamente contra a extinção das freguesias, dos tribunais e contra a falsa troca de urgências por ambulâncias e helicóptero de apoio e socorro.

Em termos qualitativos, porque os populares começaram a afrontar e a desafiar abertamente os símbolos do Poder instalado, do governo ao presidente da república, cercando, vaiando e insultando o primeiro-ministro, o ministro da economia, o presidente Cavaco Silva.

O povo está a perder a paciência e sabe-se que quando o povo perde a paciência algo de grave está para acontecer.