PUB
Anunciada a instalação de mais um instituto de investigação
Quinta-feira, Novembro 23, 2006

Mais um acrónimo para a lista: I3N. Quer dizer Instituto de Nanotecnologias, Nanomodelação e Nanofabricação e ficará instalado no AvePark. O anúncio foi feito por António Magalhães na reunião quinzenal do executivo.
(2 comentários)

Mariano Gago homologou no passado dia 16 de Novembro o Instituto de Nanotecnologias, Nanomodelação e Nanofabricação – o I3N. Este instituto que resulta da cooperação das universidades do Minho, de Aveiro e da Nova de Lisboa, terá a sua sede permanente no AvePark.

O anúncio foi feito por António Magalhães durante a reunião quinzenal do executivo camarário.

O I3N é actualmente coordenado pelo Instituto de Polímeros e Compósitos da Universidade do Minho e conta actualmente com 181 investigadores, 65 dos quais estão instalados em Guimarães.

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Guimarães, o novo instituto funcionará em rede com outros laboratórios nacionais e europeus, nomeadamente com o Instituto Ibérico de Investigação & Desenvolvimento, através da chamada Rede Nacional de Nanotecnologias.

A nanotecnologia é uma área científica de génese recente (início dos anos 60) que consiste no desenvolvimento de componentes e circuitos à escala atómica.

O prefixo “nano” deriva de uma medida métrica. Um nanometro (1nm) representa 0,000000001 metros. É a esta escala que a nanoinvestigação opera, com diversas aplicações ao nível da electrónica (a construção de chips) e na medicina (pelo desenvolvimento de biomateriais).

Em Fevereiro deste ano já tinha sido anunciada a instalação do Instituto Europeu de Investigação do grupo de investigação 3B – assim denominado por se dedicar ao desenvolvimento de biomateriais, materiais biodegradáveis e biomiméticos, parte do Departamento de Engenharia de Polímeros da Universidade do Minho.

Texto: Paulo Dumas
Foto: arquivo

COMENTÁRIOS A ESTA NOTÍCIA
___________________________________________

Ora aqui está uma notícia, que apesar do inegável interessante para o AvePark não mereceu até hoje qualquer comentário dos sempre atentos leitores do ReflexoDigital.
E no entanto, depois da turbulência provocada pela não concretização de uma hipótese, eis que o AvePark volta à ribalta, mas agora por coisas positivas. Há uma conquista e no quadro de luta cerrada pela instalação de projectos de elevado potencial – competição entre paises e dentro de cada país, entenda-se – as conquistas devem ser devidamente valorizadas.
Haverá quem continue a preferir chorar sobre o leite derramado, e está no seu direito. Eu sou mais terra a terra e limito-me a observar os factos e julgo-os como se eu estivesse no lugar de quem os impulsiona. Assim, tudo é mais simples e mais equilibrado.
Cândido Capela Dias  2006-11-28  14:51h

Mas o Sr. Cândido Capela Dias foi contratado para comentar todas as notícias deste jornal?! Ele está em (quase) todas… Já parece o Marcelo Rebelo de Sousa na RTP1, parece-me que apenas faltam as alusões aos livros… Será que sente assim tanta necessidade de se mostrar, para avistar os falados “tachos politicos”??! Se o homem não está a ser pago… acho que o deviam fazer!
Saudações Taipenses
Rui Correia  2006-11-28  18:57h.

Artigos Relacionados