PUB
A hipocrisia não tem limites
Sexta-feira, Abril 11, 2003

Sou militante da paz. Creio que uma das razões que me conduziram a vida política activa foi a indignação e mesmo revolta que em mim provocou a guerra, nas colónias primeiro e no Vietname depois.

Sou pacífico e pacifista por natureza e por convicção.

Não entendo nem aceito que os conflitos e divergências se resolvam à porrada. Prefiro a lei, prefiro o direito. Prefiro mil vezes os erros e defeitos dos tribunais do que as consequências de uma guerra.

Não nutro simpatia nenhuma por qualquer político que violenta o seu povo. Não simpatizo com os governantes que, mesmo se instalados por força do voto democrático, fazem vista grossa aos negócios de armas com tiranos, colocando o interesse económico acima dos valores e princípios que dizem professar e praticar.

Há mais de 20 anos que Saddam Hussein oprime as populações do Iraque. Tem um passado pouco abonatório que o presente confirma. É caso para dizer que não engana ninguém.

Mas, infelizmente, os ditadores são como os chapéus do Vasco Santana – há muitos.

Há os bons ditadores e os maus ditadores, conforme a conveniência dos americanos e afins. O próprio Saddam já figurou entre os bons, mas agora caiu em desgraça e foi transferido para o clube dos ditadores maus ou do eixo do mal, como se queira.

E ele, que é coerentemente ditador, foi bom quanto baste para o Ocidente o proteger e apoiar, fornecendo-lhe as armas que em parte agora esse mesmo Ocidente quer destruir.

Quando a Grã-Bretanha, pela mão da Sra. Tatcher lhe vendeu gás mostarda, um produto proibido pelas convenções internacionais, recebendo o dinheiro contra a fábrica a trabalhar, ou quando o Sr. Durão Barroso foi ao Iraque selar a venda de urânio empobrecido em representação do governo do PSD/Cavaco Silva, lavaram as mãos como Pilatos, guardando apressadamente o dinheiro do negócio, sabendo que o mesmo estava sujo de sangue de milhares e milhares de inocentes.

Por tudo isto, as minhas convicções pacifistas reforçaram-se com a guerra do Iraque.

26