PUB
Acordo na polémica pré-eleitoral entre Ricardo Costa e Carlos Vasconcelos
Sexta-feira, Fevereiro 18, 2011

Terá chegado ao fim um dos episódios mais quentes proporcionados pela pré-campanha eleitoral das últimas eleições autárquicas, realizadas em Outubro de 2009.

Quase dois anos após o início dos desenvolvimentos que levaram Ricardo Costa, à altura candidato pelo PS à Junta de Freguesia de Caldelas, a agir criminalmente contra Carlos Vasconcelos, então vereador do PSD da Câmara Municipal de Guimarães, foi recentemente assinado um acordo, entre ambos os intervenientes, que coloca um ponto final em toda a situação.

Recapitulando todos os desenvolvimentos:

Lar de Idosos nas Taipas é uma certeza

Em meados de Abril de 2009, o Grupo “Por Amor às Taipas”, grupo de apoio à candidatura de Ricardo Costa à Junta de Freguesia de Caldelas, fazia chegar aos taipenses um prospecto dando conta dos desenvolvimentos relativos ao futuro Lar de Idosos do Centro Social Padre Manuel Joaquim de Sousa. Desenvolvimentos esses em que o próprio Ricardo Costa assumia o protagonismo das acções desencadeadas, nomeadamente o facto de ter reunido com a Câmara Municipal de Guimarães para tratar do assunto em causa.

Magalhães recusa-se a entrar em polémica

No dia 7 de Maio, em reunião do executivo vimaranense, António Magalhães, respondendo a uma questão (se seria prática comum a CMG reunir com candidatos a presidentes de junta?) colocada pelo vereador Carlos Vasconcelos, do PSD, disse nunca ter reunido com o candidato socialista à autarquia taipense. No final dessa reunião, Carlos Vasconcelos dirigiu palavras duras à candidatura socialista taipense: “o candidato do PS à Junta de Caldelas pela segunda vez mentiu à população, na medida em que fez distribuir um panfleto em que diz que a sua candidatura conseguiu criar as condições para a existência de um Lar de Idosos. O senhor presidente foi muito claro dizendo que não teve nenhum contacto com o senhor candidato”.

Ricardo Costa reage criminalmente contra Carlos Vasconcelos

Ricardo Costa não perdeu tempo e poucos dias depois anunciava que, com base nas declarações proferidas pelo vereador social-democrata, iria agir criminalmente contra o mesmo. Nessa altura Ricardo Costa aproveitava para reafirmar tudo o que havia dito até aquela altura sobre o assunto e voltava a confirmar a realização de reunião com a CMG “na pessoa do seu Vice-presidente, Dr. Domingos Bragança”.

PSD considera-se esclarecido

Mais alguns dias volvidos e de novo em reunião do executivo vimaranense (21 de Maio), Carlos Vasconcelos voltou a inquirir o presidente da edilidade sobre o assunto. O autarca vimaranense mostrou algumas reservas em abordar de novo o assunto e foi mesmo Domingos Bragança, vice-presidente da CMG, a esclarecer a situação: “recebi o Eng. Carlos Remísio, presidente da Direcção do Centro Social Padre Manuel Joaquim de Sousa, que vinha acompanhado por várias pessoas, entre elas estava o Dr. Ricardo Costa”. No final da reunião, Carlos Vasconcelos considerou-se esclarecido lamentando o facto de Domingos Bragança não ter dado aquela explicação quando a questão foi colocada originalmente, quinze dias antes. Constatou ainda que Domingos Bragança terá dito de uma forma muito clara “que reuniu com uma delegação da Direcção do Centro Social Padre Manuel Joaquim de Sousa, chefiada pelo seu presidente. Estando claro que o relacionamento é institucional, obviamente que o PSD não tem nenhum tipo de crítica a fazer”.

No passado mês de Janeiro foi formalizado um acordo entre Ricardo Costa e Carlos Vasconcelos para colocar termo a este assunto, do qual resultou o comunicado conjunto, facultado à nossa redacção por Ricardo Costa e que aqui se publica na íntegra.