PUB
A Liga Portuguesa Contra o Cancro alerta para os malefícios do tabaco
Quarta-feira, Novembro 17, 2010

No sentido de assinalar o Dia do Não Fumador (17 de Novembro), a Liga Portuguesa Contra o Cancro, através da sua página na internet, transmite uma série de mensagens sobre o cancro do pulmão, no intuito de alertar para os factores e comportamentos de risco para esta doença.

“A Organização Mundial de Saúde prevê, para 2020, que o tabaco se torne a maior causa de mortalidade e invalidez, causando mais mortes que a tuberculose, VIH, mortalidade infantil, acidentes de viação, etc”.

“O fumo produzido pelo consumo do tabaco contém mais de quatro mil compostos químicos com efeitos tóxicos e irritantes, dos quais mais de 40 são reconhecidos como cancerígenos”.

“Cerca de 30% da totalidade dos cancros, 80% dos casos de doença pulmonar crónica obstrutiva e 80% dos casos de bronquite crónica são devidos ao consumo de tabaco”.

“Os fumadores têm uma maior probabilidade de vir a sofrer de disfunção eréctil, do que os não fumadores”.

É com base nestas constatações que a Liga Portuguesa Contra o Cancro, ao assinalar o Dia do Não Fumador, lança os seguintes apelos:
“Deixe de fumar. Se não é fumador não experimente”.

No site oficial desta organização são ainda apontados os factores de risco que aumentam a possibilidade de um indivíduo desenvolver cancro do pulmão:

– Tabaco (cigarros, charutos e cachimbos);
– Exposição ao fumo de tabaco (fumador passivo);
– Radão (gás radioactivo que se forma no solo e nas rochas; os mineiros podem estar mais expostos);
– Amianto (fibras utilizadas em certas indústrias, mas de fácil quebra e que podem flutuar no ar; depois de inaladas podem alojar-se nos pulmões e danificar as células);
– Poluição (exposição a certos poluentes do ar, como os sub-produtos da combustão do diesel e outros combustíveis fósseis);
– Doenças pulmonares (como a tuberculose);
– História pessoal (o indivíduo que já teve cancro do pulmão pode desenvolver um segundo cancro).